Renato Abreu

Cenários 2018

O cenário político de 2018 está aberto, mas os partidos fazem pesquisas para orientar tomadas de decisões.

2018 no Ceará passa pelos nomes de Camilo Santana, Capitão Wagner, Cid Gomes e Tasso Jereissati.

Estes aparecem bem.

Eunicio Oliveira e Moroni Torgan correm por fora.

Aliás, é cada vez maior a possibilidade do xerife Moroni sair na disputa por um cargo majoritário.

Em tempo: serão eleitos governador, vice e dois senadores na chapa majoritária.

Além do Presidente, vice, 22 deputados federais e 46 estaduais para a Assembleia.

Serviço Médico

O deputado Audic Mota (PMDB) primeiro secretário da Assembleia, comandou evento na manhã desta terça, 10, para anunciar que o departamento médico da AL vai passar a atender jornalistas e radialistas que fazem a cobertura do Legislativo.

O departamento faz um trabalho importante para a comunidade que mora no entorno da Assembleia sendo responsável por mais de 19 mil procedimentos médicos em 2016.

Serão onze especialidades médicas à disposição dos jornalistas além de serviços odontológicos e fisioterapia.

Gol de placa do deputado Audic e do presidente Zezinho Albuquerque (PDT).

Um serviço público à disposição do distinto público.

Abaixo a pedofilia

O deputado estadual João Jaime (DEM) ficou indignado com o que chama de irresponsabilidade programada de certos professores ligados a partidos de esquerda e que insistem a impor na marra a chamada ideologia de gênero.

É bom saber que tal aberração pedagógica não foi autorizada nem pelo Congresso e tampouco pela Assembleia Legislativa que vetou a marmota na votação do Plano Estadual de Educação.

João participou de bom debate no Plenário da Assembleia e falou ao blog Inconteste.

http://inconteste.com.br/wp-content/uploads/2017/10/JJ.mp3

Bolsonaro leva multidão à Assembleia

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) foi o convidado especial de uma audiência pública da Comissão de Educação presidida pela Deputada Dra. Silvana (PMDB) na manhã desta segunda-feira, 02.

O projeto deve ser votado em Brasília na Câmara dos Deputados ainda este mês.

A presença de Bolsonaro terminou por embalar a pré-candidatura de Jair Bolsonaro, seu pai, à presidência.

Na ocasião fiz interessante entrevista com o parlamentar e a mesma será veiculada hoje no Questão de Ordem às 19h30 na TV Assembleia e às 22 horas na FM Assembleia, 96,7.

O Leão voltou

Foi uma longa e angustiante espera.

Na noite de sábado, em mais um jogo épico para a história leonina, o Fortaleza garantiu seu acesso à série B.

Mesmo os adversários reconheciam que o Leão era grande demais para a terceirona.

Como também é o Clube do Remo e o grande Santa Cruz, que caiu até para a série D.

O Leão subiu com um time bem pior que os anteriores que falharam, mas aí reside a magia do futebol.

De parabéns a grande e enlouquecida nação que já elegeu seus ídolos: o goleiro Boeck, o técnico Zago e até mesmo o presidente Luís Eduardo, que entrou para a história dos pés quentes leoninos.

Parabéns ao Leão, sempre combativo, aguerrido, vibrante e forte.

Uma subida sofrida, mas que consagra.

E uma imagem que fica: a fantástica Toinha caminhando de joelhos no campo de jogo como se fosse cada um da inflamada e apaixonada torcida.

Viva o Leão na série B do Brasileirão!

* Saiba mais sobre Toinha, aqui.

Bolsonaro cresce

A propósito do artigo que saiu no Estadão, conversei com um deputado estadual do PDT, inteligente e observador atento da cena política,  que aposta em 2018, no que ele chama de “inconsciente coletivo”.

Alguém, que não se sabe quem, ocuparia esse espaço.

Mas acho que Bolsonaro tem hoje um pé no segundo turno, apesar dos preconceitos contra ele.

Hoje, o militar da reserva do Exército cresce porque fala a linguagem do povo, cansado de um processo político que só trouxe roubalheira e desencanto.

Não subestimo Bolsonaro.

Fui o único jornalista do Ceará que apostou nas chances de vitória de Donald Trump contra o politicamente correto e análises acadêmicas.

Bolsonaro de há muito deixou de ser uma aposta excêntrica.

Por um motivo simples: seu discurso cala fundo no sentimento pátrio atual.

(Renato Abreu)