• In ARTIGO
  • On

Delegado César Wagner escreve artigo para Inconteste

O delegado aposentado da Polícia Civil do Ceará, César Wagner, escreveu interessante artigo para o Inconteste, analisando o cenário de Segurança Pública e medidas que podem ser adotadas para melhorar o quadro.

Vale a pena conferir.

Um senhor idoso que ganhava a vida vendendo balinhas de vários sabores em festas, retornava tranquilamente para sua casa, quando teve sua vida interrompida por bandidos que levaram sua pequena renda.

Um estudante, apenas 26 anos, universitário, acabara de estacionar seu carro junto com um amigo em frente ao condomínio onde reside sua namorada, quando em uma acção criminosa de assalto foi alvejado na cabeça por marginais. Sobreviveu!

Uma menina de 13 anos, como outras que foram arrastadas por um tornado ao mundo do crime, pela total ausência do poder público como fomentador do bem estar social, desde seu nascimento, suspeita de amizade com um grupo criminoso, é julgada e morta barbaramente.

Esses fatos ocorrreram no nosso Ceará, na semana que findou, em Quiterianopólis, na Aldeota e na comunidade do Pau Fininho, no Papicu. Apenas alguns exemplos que vem se proliferando no nosso Estado. E no Brasil.

Esse é o cenário, não de números que nos tornam distantes, mas de seres humanos cheios de energia e vida.

Procuram justificar essa onda de homícidios avalassadora com estatísticas que de um lado apontam pessoas envolvidas com o crime e de outro diluem crimes como os apontados acima que teriam mais impacto na sociedade.

Esquecem que vivemos sob o manto de um Estado Democrático de Direito e o império de leis, cabendo a seus governantes e poderes constituídos agir em defesa de uma sociedade amedrontada, porém com esperança em soluções.

Vivenciamos Tempos onde as velhas soluções pontuais já sequer chamam a atenção da população, pelo total descrédito.

Tempos em que a figura do herói não sobrevive a uma leve brisa, pois o jogo é de equipe, de parceiros, de destemor, de compromisso inabalável com a população.

Tempos de investigação, inteligência e tecnologia em alta, sem pirotecnias e promessas que irão fracassar, pois não se sustentam diante da realidade do que enfrentamos. Não se deve vender soluções sem antes ter criado a estrutura ou prazo determinado, com responsabilidade, para suas implementações com sucesso.

Não se divide o pouco, para que o todo não perca a mínima eficiência.

Não se aposta em um único projeto de redenção, mas sim em fortalecer as estruturas que agem contra a criminalidade. Uma marcando presença, prevenindo, patrulhando. Outra, investigando, esclarecendo crimes, prendendo seus autores, combatendo diretamente a impunidade. É a linha de frente e sustentáculo da sociedade. No Estado diretamente são as Polícias Judiciária. (CIVIL ) e a MILITAR.

Mas, nada se compara a junção das polícias com seu parceiro natural, o Ministério Público, e um Judiciário altivo e forte.

No Ceará temos homens experientes, compromissados e destemidos nas três colunas. O que está faltando, para a contenção dessa verdadeira ocupação????

Estamos nas mãos de um plano nacional, imobilizados e sem alternativas a curto e médio prazo??

Reflitam!!!!!

Delegado César Wagner, ex- Superintendente da Polícia Civil do Ceará.