Garotinho tinha razão

Perícia detecta edições grosseiras nas imagens do circuito interno que não viram agressão a Garotinho.

Anthony Garotinho (PR) disse que foi agredido dentro da cadeia pública José Frederico Marques. À época, a Seap afirmou que as imagens não detectaram entrada de nenhum suspeito na cela de Garotinho. Agentes declararam à imprensa que o político se auto agrediu para forçar a transferência para Bangu 8, o que acabou ocorrendo.

Mas as gravações foram editadas. É o que garante a perícia do Ministério Público , que apontou três fragilidades no sistema. De acordo com a promotoria, o conjunto de gravações do caso apresentou “interrupções atípicas”, imagem congelada e evidência de “interferência humana” na captação dos vídeos.

Segundo a Folha, Garotinho foi preso no dia 22 de novembro e ficou detido, inicialmente, na galeria A com outros presos. O ex-governador Sérgio Cabral (MDB), seu rival político, ficava na C até ser transferido para Curitiba nesta quinta (18).

No dia seguinte, ele foi levado para a galeria B, uma ala que estava desativada. Único preso no local, ele afirma ter sido agredido na madrugada do dia 24. Segundo seu relato, um homem bateu em seu joelho com um porrete e pisou em seu pé.

“Depois apontou uma pistola dizendo: ‘Você não vai morrer hoje para não sujar para o lado do pessoal ali’, apontando para a galeria do pessoal da Lava Jato”, afirmou Garotinho.

As câmeras agora se voltam contra a administração da cadeia. Enquanto isso, vale a versão de Garotinho, a de que foi agredido. Precisa ser apurado.