Paz no ninho tucano

Nada de implosão, de racha e incompreensões. Paz no ninho, declarou Aécio Neves, presidente licenciado do PSDB, depois de longa conversa com o presidente interino, Tasso Jereissati. É quem tem as melhores condições de conduzir o partido, disse Aécio, afirmando que o interino cumpre o resto do mandato, que se encerra em dezembro.

Tasso fez história no PSDB, fundador e primeiro governador do Ceará eleito pelo partido. Era o governo das mudanças. Agora ele provoca um freio de arrumação que lhe dá musculatura de presidenciável. Se antes, falaram do seu nome numa eleição indireta, agora se cacifa para disputar com os demais caciques do tucanato.

Teremos dois presidenciáveis cearenses?

 

Amigos de longa data.

Dilma vai ser investigada por pedaladas

A Câmara de Combate a Corrupção contrariou a avaliação do procurador Ivan Marx, do Distrito Federal, que havia solicitado arquivamento das investigações sobre as pedaladas de Dilma Rousseff. Segundo ele, não seria crime comum. A Câmara determinou a reabertura das investigações, que devem ser acompanhadas agora por outro procurador.

As pedaladas fiscais consistiram no atraso de repasses do Tesouro Nacional para que bancos públicos e outros órgãos oficiais pagassem obrigações do governo com programas sociais e empréstimos subsidiados. Por causa desses atrasos, as instituições tiveram de honrar as despesas com recursos próprios. A acusação do TCU, que reprovou as contas, é de que esses atrasos seriam, na verdade, créditos ilegais entre o banco e seu controlador.

 

Eram todos racistas nos Estados Unidos

Estátua de Robert Lee

O embate violento entre os odiosos supremacistas e movimentos esquerdistas, que também propagam desamor, teve o seu estopim na derrubada de estátuas do general Robert Lee. Ele comandou as tropas confederadas, que defendiam a manutenção da escravidão. Foi derrotado pelas forças comandadas pelo então presidente Abraham Lincoln, que lutavam pela abolição.

A derrubada de estátuas, além do ato iconoclasta, tentaria apagar essa mancha da história americana. O problema é enxergar o passado com os olhos do presente. Como lembra Hélio Schwartsman, na Folha de hoje, a Guerra Civil americana (1861-65) não se resume a um combate entre racistas obscurantistas e progressistas iluminados que buscavam assegurar direitos plenos para todos.

Na verdade, eram todos racistas, como atesta esta a frase de Lincoln:

“Não sou nem nunca fui favorável a promover a igualdade social e política das raças branca e negra… há uma diferença física entre as raças que, acredito, sempre as impedirá de viver juntas como iguais em termos sociais e políticos. E eu, como qualquer outro homem, sou a favor de que os brancos mantenham a posição de superioridade.”

E aí, vamos derrubar as estátuas de Abe Lincoln?

Ou vai ou racha: implosão no ninho tucano

Não arredo pé, disse Tasso Jereissati para Lauro Jardim, no Globo, sobre sua permanência como presidente interino do PSDB:  “Não precisa pressionar pela minha saída. Esse é um gesto unilateral do Aécio. Se ele quiser reassumir o comando do PSDB, é um direito dele. Agora, da minha parte, não vou arredar o pé.”

Outro fundador do PSDB, deputado Marcus Pestana, de Minas, disparou na Folha: “Ou ele se afasta, o que seria um gesto de grandeza de quem percebeu que está em conflito com a visão majoritária, ou podemos caminhar para uma implosão.”

TCE do Rio acumula 17 anos de propina

O ex-presidente do TCE Jonas Lopes e mais cinco pessoas foram denunciados pela Procuradoria Regional da República.  A denúncia foi encaminhada na última quinta-feira ao STJ – Felix Fischer, ministro relator. O processo é fruto da Operação Quinto do Ouro, realizada em março, quando foram presos, mas logo libertados, cinco conselheiros do TCE. Segundo a denúncia, o esquema de propina remonta há 1999, fluindo livremente durante 17 anos.

A matéria foi divulgada com exclusividade pela GloboNews (mais…)

Lula não se emenda

O ex-presidente Lula, em novo momento de sinceridade desavergonhada, voltou defender a ditadura capenga da Venezuela.

” A Venezuela tem direito à sua autodeterminação. É o povo venezuelano que deve decidir livremente o destino do país. Se há uma crise institucional, que se busque superá-la por meio do diálogo e da negociação política, mas respeitando sempre os governantes que foram eleitos pelo voto popular, dentro das regras democráticas, como era o caso do presidente Hugo Chávez e é o caso do presidente Nicolás Maduro “.

Essa turma não tem jeito.