Moro sobre Mônica Bergamo:”matérias descuidadas”

Em mais uma versão de censor, o juiz Sérgio Moro voltou a criticar a  jornalista Mônica Bergamo. Ele já havia demonstrado seu descontentamento em resposta à matéria, repetiu numa nota pública e agora registrou nos autos. Lula havia pedido incluir como testemunha o advogado Tacla Duran, investigado foragido, que vem acusando amigo de Moro de pedir propina para facilitar sua delação.  Moro diz que não se deve dar crédito a palavra de um investigado, coisa que eles e procuradores têm feito em relação a outros bandidos.

Moro já havia criticado a Folha de S. Paulo por ter publicado o artigo de Rogério César de Cerqueira Leite, intitulado Desvendando Moro.

E agora, ele deixa nos autos:

“A palavra de pessoa envolvida, em cognição sumária, em graves crimes e desacompanhada de quaisquer provas de corroboração não é digna de crédito, como tem reiteradamente decidido este Juízo e as demais Cortes de Justiça, ainda que possa receber momentâneo crédito por matérias jornalísticas descuidadas”.

Ele só pensa naquilo

Romero Jucá, o piadista, usou mais um verbete do universo sexual para alfinetar Janot. Depois de sugerir suruba no lugar do foro privilegiado, ele agora se diz alvo de atração especial do procurador geral da República, ao ser denunciado pela terceira vez, só nesta semana: “É fixação. Ele até deu declaração sobre o meu bigode, não sei se um fetiche”.

Por falar em bigode, e como há pesquisa para tudo, há uma afirmando que os homens de barba têm vida sexual mais ativa. Curioso? Veja a pesquisa aqui.

Após extinção do TCM, Heitor dispara contra TCE

Após a extinção do TCM, a expectativa é que a vaga aberta para o TCE com a aposentadoria do ex-conselheiro Teodorico Menezes seja preenchida nos próximos dias. A vaga cabe à Assembleia, logo, quem decidirá são os deputados estaduais.

Em recente entrevista ao nosso programa Hora da Notícia, Rádio Assunção, segunda a sexta, 5h às 7h, o deputado Heitor Férrer assim se posicionou sobre a composição atual do TCE.

http://inconteste.com.br/wp-content/uploads/2017/08/Heitor-TCE-ok.mp3

Moro: Chega ao fim a era da impunidade dos barões da corrupção 

“O processo funciona quando o inocente vai para casa e o culpado vai para a prisão, principalmente em crimes graves como homicídio e corrupção. Se isso não ocorre, é uma farsa. A lei processual penal brasileira é muito generosa com recursos. Advogados habilidosos de criminosos poderosos podem explorar as brechas do sistema legal e apresentar recursos sem fim. O remédio é fácil, diminuir as brechas do sistema e os incentivos a recursos protelatórios. Uma forma é permitir a execução imediata de uma condenação por uma Corte de Apelação, que é a lei vigente, e admitir a suspensão dessa execução somente em casos excepcionais, quando for apresentado um recurso a um Tribunal Superior que tenha reais chances de êxito.”

Em entrevista ao ‘Estado’, juiz da Lava Jato diz esperar que Supremo sustente a decisão, que, para ele, ‘não fere a lei’.

Fonte: Para Moro, Gilmar deveria manter prisão em 2º grau