TCE do Rio acumula 17 anos de propina

O ex-presidente do TCE Jonas Lopes e mais cinco pessoas foram denunciados pela Procuradoria Regional da República.  A denúncia foi encaminhada na última quinta-feira ao STJ – Felix Fischer, ministro relator. O processo é fruto da Operação Quinto do Ouro, realizada em março, quando foram presos, mas logo libertados, cinco conselheiros do TCE. Segundo a denúncia, o esquema de propina remonta há 1999, fluindo livremente durante 17 anos.

A matéria foi divulgada com exclusividade pela GloboNews (mais…)

Lula não se emenda

O ex-presidente Lula, em novo momento de sinceridade desavergonhada, voltou defender a ditadura capenga da Venezuela.

” A Venezuela tem direito à sua autodeterminação. É o povo venezuelano que deve decidir livremente o destino do país. Se há uma crise institucional, que se busque superá-la por meio do diálogo e da negociação política, mas respeitando sempre os governantes que foram eleitos pelo voto popular, dentro das regras democráticas, como era o caso do presidente Hugo Chávez e é o caso do presidente Nicolás Maduro “.

Essa turma não tem jeito.

 

 

TJ recua

Pressão dos deputados da oposição e da base levou o Tribunal de Justiça a retirar da AL mensagem que extinguia Comarcas no interior do estado. O blog apurou que a matéria tinha forte resistência de deputados governistas. Para não perder na votação, o TJ recuou e vai estudar melhor a matéria

Sobre o assunto, fala o deputado Carlos Matos (PSDB).

http://inconteste.com.br/wp-content/uploads/2017/08/Carlos-Matos.mp3

 

 

 

O país da meia-entrada

Samuel Pessoa explica na Folha que a desigualdade no Brasil se deve ao espírito de corpo (ou seria de porco?):

“O grosso de nossas distorções prejudiciais ao crescimento econômico inclusivo -a maior arma de combate à pobreza no Brasil e no mundo- não tem origem no conflito entre equidade e crescimento. Na verdade, a maior parte delas é fruto das ações dos grupos de pressão que criam isenções e favorecimentos para si em detrimento do bem comum”.

E elenca as desigualdades mais lembradas.

“A lista de meias-entradas, na feliz expressão de Marcos Lisboa e Zeina Latif, é longa: aposentadoria integral de servidor público; contribuição compulsória sobre a folha para o sistema S; grupos isentos de pagar IR; excessos da Bolsa Ditadura; excessos da Lei Rouanet; regimes tributários especiais de PIS, Cofins, ICMS, Simples e lucro presumido; empréstimos subsidiados; Zona Franca de Manaus; direito irrestrito de greve de servidor público; benefícios aos Estados do Centro-Oeste, apesar de a sua renda per capita ser equivalente à de Minas Gerais; etc.”

O artigo pode ser lido aqui.