academia de direito

Partidos abrem temporada de caça a candidatos

Com a queda de prestígio dos políticos tradicionais, os partidos tentam buscar novos nomes competitivos para as eleições deste ano. Entram na mira cidadãos que desempenham atividades de forte impacto social e que estão fora do métier político.

Exemplo disso é o atuante presidente da Academia Cearense de Direito, advogado Roberto Victor, que foi sondado por mais de um partido para ingressar na vida partidária e disputar uma cadeira no parlamento.

A Academia Cearense de Direito, que recentemente comemorou um ano, já deixou marcada sua atuação na sociedade cearense. Em 2017, a academia se mostrou presente em 15 municípios do Ceará, com a Caravana da Educação, e esteve em 18 escolas públicas levando noções de direito e cidadania.

Outra reivindicação sustentada pela academia é dentro do programa Praia Acessível, da Seturfor, destinado a pessoas com deficiência, que deve passar por melhorias. Saneamento básico na Capital é outra de suas bandeiras em prol da sociedade.

Roberto Victor, não se fez de rogado diante das propostas de filiação, mas ainda estuda cenários e contextos. “Se houver candidatura, não será apenas minha, mas do grupo  que tem sintonia com nossas ações, preciso ouvi-los e fazer a análise em conjunto para decisão tão importante”, disse.

Academia de Direito questiona Cagece

A Academia Cearense de Direito oficiou a CAGECE sobre a política de saneamento sanitário como medida de pacificação social. Os dados informam que Fortaleza ocupa a 69ª colocação (e a 16ª entre as capitais), em um ranking de saneamento básico e tem mais da metade dos habitantes, 52,5%, sem acesso à coleta e tratamento dos esgotos.

O presidente da academia, Roberto Victor (foto), alertou para que se observe o fenômeno do “Sulfeto de Hidrogênio” que (H2S) é um gás incolor, de cheiro desagradável que, devido a sua toxidez, é capaz de irritar os olhos e/ou atuar no sistema nervoso e respiratório, causando irritabilidade, problemas gastrointestinais e a perda da sensação de odor, que é devido à fadiga do sistema olfatório sensitivo pela destruição dos nervos (neuroepitélio olfatório) responsáveis por esta função.

O Sulfeto de Hidrogênio também pode ocorrer como resultado da degradação bacteriana de matéria orgânica exposta a céu aberto, ou seja, esgoto não tratado e canalizado. “A ausência de esgoto tem conexão com a violência, os péssimos índices de desenvolvimento humano, as taxas de reprovação de alunos em escolas públicas, entre outros desatinos sociais, uma vez que essa agressão colide frontalmente com o princípio da dignidade da pessoa humana”, disse.